Esta Carta de Princípios foi elaborada pela Província Brasileira, em 2002, coroando o I Encontro de Líderes Leigos Camilianos, que aconteceu no mês de abril. Logo em seguida, em 10 de maio, o Conselho Provincial aprovou seu conteúdo, que é a consolidação dos princípios que clareiam e norteiam sobre um pouco do universo camiliano: sua finalidade, intenções e objetivos. Sua leitura é fundamental para quem vive a rotina camiliana ou pretende nela estar inserido. Além de ser um documento normativo, é compromisso ético que orienta e direciona o trabalho camiliano e foi publicada com o intuito de servir de reflexão para todos os que fazem desta instituição sua seara. Serve como subsídio para responder a quatro questões fundamentais: por que trabalhar em uma ordem religiosa; qual o perfil esperado de um religioso camiliano ou aspirante às obras camilianas; o que é necessário para uma entidade tornar-se camiliana e qual é o diferencial da obra de São Camilo de Lelis.

A Carta de Princípios das Entidades Camilianas também expõe a importância do “dar de si”, do respeito ao próximo e da contribuição para tornar a vida da população um pouco melhor, especialmente possibilitar melhora na rotina dos mais necessitados. Estas escritas são marco referencial para diversos outros documentos que surgirão.

Carta de Princípios das Entidades Camilianas

A Província Camiliana Brasileira da Ordem dos Ministros dos Enfermos – Padres e Irmãos Camilianos – declara publicamente seu compromisso de fidelidade aos ideais do fundador, São Camilo de Léllis, atualizando seu carisma e espiritualidade para servir, com amor evangélico e competência profissional, às novas gerações em suas múltiplas necessidades, dando atenção preferencial aos mais carentes e excluídos da sociedade.

A missão profética que herdamos do nosso fundador, e que somos chamados a levar adiante, consiste em “testemunhar no mundo o amor sempre presente de Cristo para com os doentes”, no respeito e na defesa incondicional dos valores humanos, cristãos e católicos. Em conformidade com esta missão, os Camilianos dão ênfase especial à valorização da vida e da saúde, da pessoa humana, de seus profissionais, e à competente e fiel administração de suas obras.

Quanto à valorização da vida e da saúde, os Camilianos, seus profissionais e respectivas entidades respeitarão todas as suas dimensões – biológica, psíquica, social e espiritual. Empenhar-se-ão em promovê-las e cuidá-las, até o limite de suas possibilidades, segundo os valores éticos, cristãos e eclesiais, dentro de uma visão holística e ecumênica, repudiando tudo quanto possa agredir ou diminuir sua plena expressão.

Quanto à valorização da pessoa, as entidades camilianas caracterizar-se-ão pelo reconhecimento e defesa da dignidade fundamental de todos os seres humanos, criados à imagem e semelhança de Deus. Os que atuam em instituições camilianas deverão primar pela atenção, pelo respeito, cuidado personalizado e amor efetivo para com todos os que utilizarem seus serviços, sem discriminação.

Quanto à valorização de seus profissionais, as entidades camilianas reconhecerão neles seu principal e verdadeiro patrimônio, conscientes de que é por seu intermédio e graças à sua dedicação que serão preservados os valores ora professados em favor da vida e saúde da pessoa humana. Cientes do seu valor, as entidades camilianas desenvolverão e aplicarão uma política de recursos humanos que possibilite, de forma integrada, o desenvolvimento, a capacitação profissional e a formação espiritual de seus profissionais, propiciando um clima de união, fraternidade e co-responsabilidade entre todos os integrantes de suas instituições assistenciais, educacionais, sociais e religiosas. A eles seja oferecida e incentivada também a oportunidade de envolvimento na saúde comunitária e no engajamento voluntário.

Quanto à administração, as entidades camilianas empenhar-se-ão na busca incessante de conhecimentos humanos, éticos, científicos, tecnológicos e pastorais capazes de garantir a utilização racional dos recursos disponíveis em benefício da humanização e da qualidade dos serviços na comunidade, segundo o ideal de São Camilo. Além da excelência administrativa, as entidades camilianas terão sempre presente o compromisso fundamental de respeito e preservação dos valores que professamos, colocando-se efetivamente a serviço da vida e da saúde das pessoas, sobretudo as mais carentes e excluídas, e valorizando seus profissionais. Dessa forma, a administração não terá um fim em si mesma, mas será um excelente instrumento para a viabilização da visão cristã de valores no mundo da saúde, bem como para o exercício eficiente e eficaz do carisma camiliano, tornando-nos agentes de transformação.

As entidades camilianas estudarão e estabelecerão estratégias adequadas que possibilitem a avaliação de seus recursos e energias, para desenvolvê-los sempre mais, respeitadas suas respectivas áreas de atuação social, assistencial e educacional. Elas buscarão a integração, sinergia de esforços e recursos, mútua ajuda e colaboração, parcerias em áreas afins, fortalecendo-se na unidade e na missão, em vista da promoção e construção de uma sociedade mais saudável, justa e solidária.